São Josemaria
Textos de São Josemaria

Em frente, com mais amor

Etiquetas: Amor de Deus, Confissão sacramental, Luta ascética, Otimismo, Amor, Perdão
Os muitos pecados que ela cometeu estão perdoados, porque demonstrou muito amor. Aquele a quem foi perdoado pouco, demonstra pouco amor.
Lc 7, 36-50

Esse desalento, porquê? Pelas tuas misérias? Pelas tuas derrotas, às vezes contínuas? Por uma queda grande, grande, que não esperavas? Sê simples. Abre o coração. Olha que não está tudo perdido. Ainda podes continuar, e com mais amor, com mais carinho, com mais fortaleza. Refugia-te na filiação divina: Deus é teu Pai amantíssimo. Esta é a tua segurança, o ancoradouro onde lançar a âncora, aconteça o que acontecer na superfície deste mar da vida. E encontrarás alegria, força, optimismo, vitória!
Via Sacra, VII Estação, n. 2

Lázaro ressuscitou porque ouviu a voz de Deus; e quis imediatamente sair daquele estado. Se não tivesse "querido" mexer-se, teria morrido de novo. Propósito sincero: ter sempre fé em Deus; ter sempre esperança em Deus; amar sempre a Deus... que nunca nos abandona, mesmo que estejamos apodrecidos como Lázaro.
As verdadeiras biografias dos heróis cristãos são como as nossas vidas: lutavam e ganhavam, lutavam e perdiam. E então, contritos, voltavam à luta.
Forja, 211

Não nos enganemos: na nossa vida, se contamos com brio e com vitórias, devemos também contar com quedas e derrotas. Essa foi sempre a peregrinação terrena do cristão, incluindo a daqueles que veneramos nos altares. Recordais-vos de Pedro, de Agostinho, de Francisco? Nunca me agradaram as biografias dos santos em que, com ingenuidade, mas também com falta de doutrina, nos apresentam as façanhas desses homens, como se estivessem confirmados na graça desde o seio materno. Não. As verdadeiras biografias dos heróis cristãos são como as nossas vidas: lutavam e ganhavam, lutavam e perdiam. E então, contritos, voltavam à luta.
Cristo que passa,76

Voltar sempre, e voltar com mais amor
Não nos devemos importar, sempre que for necessário, fazer de filho pródigo: começar, pedir perdão com dor sincera, e voltar; isto é do agrado do Nosso Pai Deus, porque conhece bem a massa de que somos feitos: por conseguinte, voltai sempre, e voltai com amor, pois Deus está à vossa espera.
Lembrando o Beato Josemaria

Outra queda..., e que queda!... Desesperar-te? Não; humilhar-te e recorrer, por Maria, tua Mãe, ao Amor Misericordioso de Jesus. - Um "miserere" e, coração ao alto! - A começar de novo.
Caminho, 711

Tenho repetido muitas vezes aquele verso do hino eucarístico: peto quod petivit latro poenitens, e sempre me comovo: pedir como o ladrão arrependido! Reconheceu que, ele sim, merecia aquele castigo atroz... E, com uma palavra, roubou o coração de Cristo e abriu, para si, as portas do Céu. Da Cruz pende o corpo - já sem vida - do Senhor. A multidão, vendo o que se tinha passado, retira-se batendo no peito (Lc XXIII, 48). Agora que estás arrependido, promete a Jesus que, com a Sua ajuda, não vais crucificá-Lo mais. Di-lo com fé. Repete uma e outra vez: amar-Te-ei, meu Deus, porque, desde que nasceste, desde que eras criança; Te abandonaste nos meus braços, inerme, confiando na minha lealdade.
Via Sacra, XII Estação, n. 4-5

Tristeza, abatimento. Não me admira; é a nuvem de pó que a tua queda levantou. Mas basta! Acaso o vento da graça não levou para longe essa nuvem? Além disso, a tua tristeza - se não a afastares - bem pode ser o invólucro da tua soberba. - Julgavas-te perfeito e impecável?
Caminho, 260

Jesus Cristo sempre está à espera que voltemos para Ele, precisamente porque conhece a nossa fraqueza.
O cristão não é um maníaco coleccionador de folhas imaculadas de bons serviços. Jesus Cristo Nosso Senhor comove-se tanto com a inocência e a fidelidade de João como, depois da queda de Pedro, se enternece com o seu arrependimento. Jesus compreende a nossa debilidade e atrai-nos a Si como em plano inclinado, desejando que saibamos insistir no esforço de subir cada dia um pouco. Procura-nos, da mesma forma que procurou os discípulos de Emaús, ou seja, saindo-lhes ao encontro; como procurou Tomé e lhe mostrou e lhe fez tocar com os seus dedos as chagas abertas nas mãos e no peito. Jesus Cristo sempre está à espera que voltemos para Ele, precisamente porque conhece a nossa fraqueza.
Cristo que passa, 75

A confissão sacramental não é um diálogo humano, é um colóquio divino; é um tribunal de segura e divina justiça e, sobretudo, de misericórdia, com um juiz amoroso que não deseja a morte do pecador, mas que ele se converta e viva. É verdadeiramente infinita a ternura de Nosso Senhor. Olhai com que delicadeza trata os seus filhos.
Cristo que passa, 78

Escreves-me, dizendo que te aproximaste por fim do confessionário, e que sentiste a humilhação de ter de abrir a cloaca (é assim que o dizes) da tua vida diante de "um homem". Quando arrancarás essa vã estima por ti mesmo? Então irás à Confissão contente por te mostrares como és, diante "desse homem" ungido (outro Cristo, o próprio Cristo!) que te dá a absolvição, o perdão de Deus.
Sulco, 45

Não penses mais na tua queda. - Esse pensamento, além de pesada lage que te cobre e esmaga, facilmente se tornará uma ocasião de próximas tentações. - Cristo perdoou-te. Esquece-te do "homem velho".
Caminho, 262
Procuraste desabafar, com lágrimas, junto do Senhor e em conversa íntima com um teu irmão?

Na tua alma, parece que ouves materialmente: "Esse preconceito religioso!...". - E depois, a defesa eloquente de todas as misérias da nossa pobre carne decaída: "Os seus direitos!". Quando isto te acontecer, diz ao inimigo que há lei natural e lei de Deus, e Deus! - E também inferno!
Caminho, 141

"Quia hic homo coepit aedificare et non potuit consummare!" - começou a edificar e não pôde terminar! Triste comentário, que, se quiseres, não se fará de ti, porque tens todos os meios para coroar o edifício da tua santificação: a graça de Deus e a tua vontade.
Caminho, 324

O pó e a cegueira de uma certa queda causam-te desassossego e pensamentos que querem tirar-te a paz.
Procuraste desabafar, com lágrimas, junto do Senhor e em conversa íntima com um teu irmão?
Sulco 324