São Josemaria
Textos de São Josemaria

Para encher-se de alegria

Etiquetas: Alegria, Otimismo, Oração
Em tempo de Páscoa, a mensagem de alegria caracteriza a vida do cristão.
S. Josemaria ajuda-nos a descobri-la.

Gozas de uma alegria interior e de uma paz que não trocas por nada. Deus está aqui: não há nada melhor do que contar-Lhe a Ele as penas, para que deixem de ser penas.
Forja, 54

A alegria de um homem de Deus, de uma mulher de Deus, há-de ser transbordante: serena, contagiosa, com garra... Em poucas palavras: há-de ser tão sobrenatural, tão pegadiça e tão natural, que arraste outros pelos caminhos cristãos.
Sulco, 60

Tu, que vives no meio do mundo; que és um cidadão mais, em contacto com os homens a que chamam bons ou maus...; tu hás-de sentir o desejo constante de dar aos outros a alegria de que gozas pelo facto de seres cristão.
Sulco, 321

Antes, "divertias-te" muito... Mas agora, que trazes Cristo em ti, toda a tua vida se encheu de sincera e comunicativa alegria. Por isso atrais outros.
Antes, "divertias-te" muito... Mas agora, que trazes Cristo em ti, toda a tua vida se encheu de sincera e comunicativa alegria. Por isso atrais outros.
Ganha mais intimidade com Ele, para chegares a todos.
Sulco, 673

A alegria é um bem cristão. Só desaparece com a ofensa a Deus, porque o pecado é fruto do egoísmo e o egoísmo é a causa da tristeza. Mesmo então, essa alegria permanece no fundo da alma, pois sabemos que Deus e a sua Mãe nunca se esquecem dos homens. Se nos arrependemos no santo sacramento da penitência, Deus vem ao nosso encontro e perdoa-nos. E já não há tristeza. Na verdade, é muito justo que haja regozijo, porque o teu irmão estava morto e ressuscitou; tinha-se perdido e foi encontrado.
Cristo que passa, 178

Rejuvenesceste! Efectivamente, notas que a intimidade com Deus te fez regressar em pouco tempo à época simples e feliz da juventude, inclusive à segurança e à alegria - sem criancices - da infância espiritual... Olhas à tua volta, e verificas que aos outros acontece o mesmo: passam os anos desde o seu encontro com o Senhor e, com a maturidade, robustecem-se numa juventude e numa alegria indeléveis. Não estão jovens; são jovens e alegres!
Esta realidade da vida interior atrai, confirma e subjuga as almas. Agradece-o diariamente "ad Deum qui laetificat iuventutem" - a Deus que enche de alegria a tua juventude.
Passam os anos desde o seu encontro com o Senhor e, com a maturidade, robustecem-se numa juventude e numa alegria indeléveis. Não estão jovens; são jovens e alegres!
Sulco, 79

A tristeza é a escória do egoísmo. Se queremos viver para Nosso Senhor, não nos faltará a alegria, mesmo que descubramos os nossos erros e as nossas misérias. A alegria entra na vida de oração de tal maneira que, a certa altura, não poderemos deixar de cantar: porque amamos, e cantar é próprio de apaixonados
Amigos de Deus, 92

Refugia-te na filiação divina: Deus é teu Pai amantíssimo. Esta é a tua segurança, o ancoradouro onde lançar a âncora, aconteça o que acontecer na superfície deste mar da vida. E encontrarás alegria, força, otimismo, vitória!
Via Sacra, VII, 2

Aprendamos a obedecer, aprendamos a servir. Não há maior fidalguia do que entregar-se voluntariamente ao serviço dos outros. Quando sentimos o orgulho que referve dentro de nós, a soberba que nos leva a pensar que somos super-homens, é o momento de dizer que não, de dizer que o nosso único triunfo há-de ser o da humildade. Assim nos identificaremos com Cristo na Cruz, não aborrecidos ou inquietos, nem com mau humor, mas alegres, porque essa alegria, o esquecimento de nós mesmos, é a melhor prova de amor.
Cristo que passa, 19

Não é verdade que, quando deixas de ter medo da Cruz, disso a que as pessoas chamam cruz, quando pões a tua vontade na aceitação da Vontade divina, és feliz e desaparecem todas as preocupações, os sofrimentos físicos ou morais?
É verdadeiramente suave e amável a Cruz de Jesus. Aí não contam as penas; fica só a alegria de nos sabermos co-redentores com Ele.
Via Sacra, II

Olhai para Maria. Nunca criatura alguma se entregou com mais humildade aos desígnios de Deus. A humildade da ancilla Domini, da escrava do Senhor, é a razão que nos leva a invocá-la como causa nostrae laetitiae, causa da nossa alegria. Eva, depois de pecar por querer, na sua loucura, igualar-se a Deus, escondia-se do Senhor e envergonhava-se: estava triste. Maria, ao confessar-se escrava do Senhor, é feita Mãe do Verbo divino e enche-se de alegria. Que este Seu júbilo de boa Mãe se nos pegue a todos nós; que saiamos nisto a Ela - a Santa Maria - e assim nos pareceremos mais com Cristo.
Amigos de Deus, 109